quinta-feira, 11 de outubro de 2007


Mais uma da UHE-ESTREITO



Veja aqui a simulação da Uhe-estreito




Usina de Estreito

O Maranhão deverá ter em seu território a segunda maior usina hidrelétrica do mundo, a ser construída a partir do ano que vem no leito do Rio Tocantins, em Estreito. Esta usina é maior e com mais capacidade que a de Itaipú, no Paraná, na divisa do Brasil com o Paraguai.O projeto, de responsabilidade da Companhia Vale do Rio Doce (CVRD), Billington, Camargo Correia, Tactebel e Alcoa, que formam o Ceste (Consórcio Estreito Energia), com cooperação e apoio técnico do Governo do Estado do Maranhão -, deverá ter seus serviços iniciados a partir do mês de março de 2006, com previsão para se estender em, pelo menos, dois anos.

A UHE/Barragem do Rio Tocantins é o maior projeto nacional estratégico no setor energético em implantação no país e a segunda maior em processo de construção no mundo, só superada pela Usina de Três Gargantas, na China. Terá potência instalada em 1087 MW, com produção de 5.123.724 MWh de energia elétrica, a qual será incorporada aos Sistemas Regionais Norte/Nordeste e Norte/ Sul, por intermédio da Rede Básica do Sistema Interligado Nacional.

De acordo com informações dadas pelo Secretário de Minas e Energia do Governo Estadual, Carlos Amorim, o megaprojeto será conduzido sob a supervisão e concessão do Ministério de Minas e Energia e da ANEEL – Agência Nacional de Energia Elétrica, e terá investimentos privados da ordem de R$ 2,4 bilhões de reais, equivalentes a US$ 1 bilhão de dólares.

Jornal Pequeno, São Luís,

No dia 29 de abril a ministra de Minas e Energia anunciou no estado do Tocantins a aprovação da licença prévia para a construção da hidrelétrica de Estreito, localizada ao norte do Tocantins e oeste do Maranhão. A maior em geração de energia a ser construída no país. As audiências públicas, exigência da legislação para que o processo de licenciamento ambiental seja aprovado ou não, revelaram-se verdadeiras pantomimas.

A hidrelétrica de Estreito deve produzir 1.087MW. Empresas interessadas: Alcoa, Billiton, Camargo Correa, Tractabel e a Companhia Vale do Rio Doce (CVRD). A barragem estará situada entre os municípios de Aguiarnópolis/TO e Estreito/MA, com impactos mais profundos nas cidades de Carolina/MA, Babaçulândia/TO, que deverão ser inundada, e Filadélfia/TO atingindo diretamente 1.150 pessoas e indiretamente a reserva indígena krahô, além do Monumento Natural das

Árvores Fossilizadas e sítios arqueológicos. A avaliação é de que a água que abastece várias cidades ao longo do rio Tocantins sofrerá danos com a hidrelétrica. Além da etnia Krahô, a apinagé questiona a empreendimento. Na apresentação do Estudo de Impacto Ambiental - EIA- de Estreito organizado pela empresa CNEC Engenharia, ficaram várias dúvidas. Tais como quem serão as famílias a serem atingidas.

Para se compreender a construção de hidrelétricas na Amazônia é preciso relacionar a ampliação da produção de alumínio no Pará e Maranhão. No primeiro estado a empresa responsável pertence ao grupo CVRD. Já no Maranhão é da americana ALCOA. Ambas estão em fase de ampliação de suas produções.

Para que se efetive tal empreendimento é mister garantir a geração de energia, o principal insumo para a produção de alumínio. È necessário ainda investigar o processo de licenciamento ambiental da mina de bauxita em Juruti, município do oeste do Pará. A bauxita é a matéria prima para a produção de alumínio. As audiências públicas para licenciamento da exploração da mina segue a mesma matriz de pantomima das audiências de Estreito. Ainda no oeste do Pará está prevista a construção da hidrelétrica de Belo Monte, agendada desde 1980, com o nome de kakaraô.

Não só Norte do Brasil estão os passivos na construção de barragens. No Sul o MAB denuncia a empresa ALCOA no empreendimento de Barra Grande. No caso da barragem de Barra Grande, uma das omissões no estudo de impacto ambiental recaiu sobre a não consideração da existência de uma mata primária e não indenização de atingidos pela barragem. Melhores dias virão?




Notícias da Amazônia








ATENÇÃO CRIANÇAS ! ! !


"Podem brincar, relaxar, namorar. Mas estudem sério. Se vocês não estudarem agora, vocês vão se arrepender depois, quando procurarem o mercado de trabalho"

Podem ficar sossegadas crianças do Brasil, se depender do "tiozão" Lula não vão faltar bolsas escolas...